A bolha do filtro: Facebook, Google, e a personalização excessiva

Autor: Sander Venema, em 24/05/2015. Tradução por Anders Bateva da seção “The Filter Bubble” do artigo completo original.

Um grande problema da tecnologia de personalização, tal qual a usada pelo Facebook, mas também Google e outros, é que ela limita a informação a que os usuários são expostos. O algoritmo aprende o que você gosta, e então subsequentemente apenas serve a você informações que você está propenso a curtir. O problema disto é que há muito informação que não é curtível. Informação que não é legal, mas ainda assim importante de saber. E, ao filtrar pesadamente o fluxo de entrada, estas companhias influenciam sua forma de como você pensa a respeito do mundo, a qual informação você é exposto, etc. Eli Pariser fala deste efeito no seu livro The Filter Bubble: What the Internet is Hiding From You, onde ele realizou uma busca Google por “Egito” durante a revolução no Egito, e recebeu informação a respeito da revolução, artigos de notícia, etc., ao passo que seu amigo apenas recebeu informação sobre férias no Egito, operadores de turismo, vôos, hoteis, etc. Estes são resultados vastamente diferentes para o exato mesmo termo de busca. Isto deve-se à personalização pesada que ocorre no Google, onde algoritmos refinam quais resultados você tem mais probabilidade de clicar, ao analisar seus termos de busca inseridos anteriormente.

O mesmo ocorre com o Facebook, onde eles controlam o que você vê em seu feed de notícias no site Facebook baseando-se no que você curte. O problema é que, fazendo isto algumas poucas vezes, logo você irá ver apenas informação que você curte, e nenhuma informação que é importante, porém não é curtível. Isto erode massivamente o eventual valor que o Facebook pudesse ter, já que, eventualmente, o Facebook será um fluxo infinito de informação (posts, imagens, vídeos) que você curte e concorda. Torna-se uma máquina de feedback positivo instantâneo automático. Pressione um botão, e ganhe um cookie.

Que valor tem o Facebook como rede social, quando você nunca depara-se com ideias radicais, ou ideias com as quais você não concorda, mas podem alterar seu pensar quando você entrar em contato com elas? Ao nunca entrar em contato com ideias extraordinárias, você nunca aperfeiçoa-se. E que mundo miserável seria este!

Licença Creative Commons Este post de Anders Bateva está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em Sander Venema.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*