ENEM 2009 – O Indivíduo Frente à Ética Nacional

Esta é uma redação escrita segundo orientação da prova do ENEM de 2009.

As pessoas sempre reclamam que estão sendo feitos de palhaços e todos os políticos são corruptos… Interessante! Essas pessoas realmente devem ter vocação para o circo, pois são incapazes de aprender com os próprios erros, nasceram para ser palhaços, mesmo! Se todos são corruptos, o que você ainda faz votando? Está oficializando seu status de otário, pois sabe que vai eleger alguém que não presta, e se sentirá mal consigo mesmo, sentindo raiva, frustração e arrependimento, tudo outra vez.

Se todos os políticos são corruptos, caro amigo, NÃO VOTE. Ou você gosta de eleger corruptos? Se não gosta, porquê continua legitimando o circo no qual VOCÊ é o palhaço? “Ah, mas o voto é obrigatório…” Sério? E o que acontece com quem não vota, é fuzilado? Não sabe, né, nunca procurou saber…

Tudo bem, eu te explico! Quem não vota tem de regularizar a situação do título de eleitor junto ao cartório eleitoral mais próximo, após as eleições. Se você regularizar a situação antes que se acumulem 3 turnos, não sofre punição decorrente do cancelamento do título.

Regularizar pode consistir de 2 processos diferentes: justificar a falta gratuitamente, ou pagar uma multa e não ter que dar justificativa. Considerando que a justificativa depende de aprovação pelo juiz eleitoral, e por isso preciso ser algo razoável e fundamentado (viajei/fui internado num hospital); que simplesmente não é da conta do Estado seus motivos; e que o valor da multa é baixo (R$3,50/turno nas eleições de 2016), é mais aconselhável simplesmente pagar a multa. Dói fazer algo tão simples? Dói mais do que ficar a vida toda reclamando dos políticos?

Você tem a responsabilidade de ajudar a manter a ética nacional, e pode fazê-lo boicotando a palhaçada oficial pública (Estatal). Lhe garanto que um fardo será tirado de suas costas, lhe dando maior liberdade de atuação na solução dos problemas da vida. O vai esperar o governo?

Licença Creative Commons O texto deste post de Anders Bateva está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição 4.0 Internacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*