Sobre marxistas profissionais

Fonte: “Estrangeiro”. Os Pensadores III: Platão – 1ª edição – 1972 – Abril Cultural – diálogo “Sofista”, “Recapitulação das definições” e “As artes ilusionistas: a mimética”.


Como chegam esses homens a incutir na juventude que somente eles, e a propósito de todos os assuntos, são mais sábios que todo o mundo? Pois na realidade, se como contraditores não tivessem razão, ou não parecessem, à sua juventude, ter razão; se, mesmo assim, a sua habilidade em discutir não desse algum brilho à sua sabedoria, então seria caso de dizer, como tu, que ninguém viria voluntariamente dar-lhes dinheiro para deles aprender estas suas artes.

Ora, na verdade, os que os procuram o fazem voluntariamente. É que, ao que creio, eles parecem ter uma sabedoria pessoal sobre todos os assuntos que contradizem. E se assim fazem, a propósito de tudo, dão, então, a seus discípulos a impressão de serem oniscientes. E sem o ser, na realidade; pois isso seria impossível. Ao que vemos, pois, o que traz este tipo de pessoa é uma falsa aparência de ciência universal, mas não a realidade.

[…]

Assim, o homem que se julgasse capaz, por uma única arte, de tudo produzir, como sabemos, não fabricaria afinal, senão imitações e homônimos das realidades. Hábil, na sua técnica de pintar, ele poderá, exibindo de longe os seus desenhos, aos mais ingênuos meninos, dar-lhes a ilusão de que poderá igualmente criar a verdadeira realidade, e tudo o que quiser fazer.

Não devemos admitir que também o discurso permite uma técnica por meio da qual se poderá levar aos ouvidos de jovens ainda separados por uma longa distância da verdade das coisas, palavras mágicas, e apresentar, a propósito de todas as coisas, ficções verbais, dando-lhes assim a ilusão de ser verdadeiro tudo o que ouvem e de que, quem assim lhes fala, tudo conhece melhor que ninguém?

Para a maior parte daqueles que então ouviram tais discursos, não é inevitável que, transcorrido o tempo suficiente de anos, com o avançar da idade, e vistas as coisas de mais perto, as provas que os obrigam ao claro contato com as realidades os levem a mudar as opiniões então transmitidas, a julgar pequeno o que lhes havia parecido grande, difícil o que lhes parecera fácil, uma vez que os simulacros que transportavam as palavras desapareçam em presença das realidades vivas?

(A citação deste trecho interessante não corresponde a uma indicação de leitura do diálogo “Sofista”. Em minha opinião, existem outros diálogos de Platão mais proveitosos que este.)

Contextualização

Eu fui marxista quando era jovem demais para saber distinguir a verdade daquilo que somente aparentava ser verdade. Com o passar do tempo, foi ficando cada vez mais claro para mim que o quadro que pintavam para mim era uma ilusão lunática. Todas as soluções que apontavam, para solucionar num passe de mágica todas as mazelas da humanidade, não eram postas em prática “pela direita”, “pela burguesia”, ou seja lá quem fosse o inimigo na teoria de conspiração da vez, simplesmente por pura maldade ou ganância. Existe maldade e ganância? Sim. Mas todas essas soluções simples e rápidas, defendidas pelos marxistas, tinham por trás custos humanos altos que obviamente não eram revelados nas propagandas. E tudo o que dizem é propaganda (agitprop), é panfletário. São vigaristas aproveitando-se da ingenuidade alheia… E acusando outras pessoas de serem vigaristas aproveitando-se da ingenuidade alheia! Os marxistas profissionais são as raposas que tomam conta do galinheiro. Tal qual no Xadrez, você é um peão a ser sacrificado, para que alguém coroe-se rainha. Eu fui tolo, um idiota útil.

Hoje eu já sei ser útil sem ser idiota: mais vale ajudar quem realmente precisa, hoje, do que ficar debatendo teoria marxista, sobre como essas mesmas pessoas serão ajudadas no advento de uma Revolução Socialista™. As ilusões que construíram, e nas quais acreditei, foram desmoronando, conforme fui tendo contato com a real realidade dos fatos, empiricamente: não se sustentavam. Nenhum discurso de político pesa mais que minha experiência de vida. A conversa-mole bate em mim e volta, não entra mais. Eu agora sei discernir o que vale, e o que não vale, por conta própria, sem precisar que alguém pense por mim. Os sabichões partidários não têm como saber tudo.