Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Anders Bateva

Buscando o porquê das coisas em livros de não-ficção.

Anders Bateva

Buscando o porquê das coisas em livros de não-ficção.

Economia planificada, um fiasco

Fonte: RationalWiki (artigo de bronze).

Você consegue forçar pobres pedintes em fábricas para que produzam mais produtos, mas um fazendeiro não consegue forçar o solo a produzir. Ele não pode pregar Marx para o tempo, de forma que chova na hora certa. E desconhece-se, em toda a União Soviética, um dia sequer aonde o Sol tenha dado ouvidos à economia de Joseph Stalin.
—Leonard Wibberley, The Mouse that Roared

Uma economia centralizada, também chamada de economia planificada, é um modelo econômico aonde uma autoridade central coerce à ponta do fuzil informa às fazendas, fábricas, escolas e companhias:

  • quais e quantos bens, serviços, e profissionais produzir;
  • onde distribuí-los e quem poderá recebê-los;
  • quais serão seus preços e valores, de forma semi-arbitrária ('por decreto').

Para que estes processos sejam realizáveis em escala nacional, faz-se necessário controle centralizado com amplo alcance — tipicamente, possuindo controle total da indústria, educação, e trabalho, juntamente das maquinações internas requeridas para garantir, de cima-para-baixo, a obediência de cada engrenagem nesta máquina pessoa neste sistema.

Isto contrasta-se fortemente com o espectro de economias de livre mercado, onde cada indivíduo é teoricamente livre para decidir, em seus próprios termos, questões de produção e comércio.

Fracasso

'Planejada' não é equivalente a 'perfeita' alocação de recursos, nem alocação 'científica', nem mesmo alocação 'mais humana'. Significa simplesmente alocação 'direta', ex ante. Desta forma, é o oposto de alocação de mercado, que é ex post.
—Ernest Mandel, In Defence of Socialist Planning

A economia centralizada é conhecida por dois grandes feitos:

  1. por ter sido tentada em inúmeros regimes comunistas durante o Século XX;
  2. por eventualmente estagnar a economia e retardar o desenvolvimento do país.

Devido a esta capacidade, o modelo centralizado tem sido repetidamente o alvo de forte crítica de todos os lados do espectro político (com exceção de entusiastas do autoritarismo, em ambas as extremidades). Quem se identifica "de direita" critica este modelo devido a ele capar a livre iniciativa e os valores tradicionais, enquanto quem se identifica "de esquerda" protesta que a hierarquia centralizada inerente a este modelo não apenas vai contra a visão original do Marx a respeito de 'comunismo sem Estado', mas também confronta com força uma ampla gama de ideais socialistas desejados. As pessoas e instituições, ao longo de todo o espectro político, têm expressado veemente ceticismo em relação ao conceito Stalinista de entregar de bandeja todas as funções de auto-determinação econômica para um distante conchavo de "experts" politicamente intocáveis -- que na realidade de nada entendem.

Fora do contexto de início do desenvolvimento industrial, e de tempos difíceis de guerra, o modelo de economia centralizada nunca foi promovido por economistas que estivessem fora de ditaduras totalitaristas, tendo tal modelo adquirido um certo 'reconhecimento geral' em ser completamente ineficiente - a ponto de ser contraprodutivo - na gerência de qualquer economia em tempos de paz. Ao invés disto, as atuais disputas de macro-economia ficam entre doutrinários de livre-mercado (Escola Austríaca) e promotores de intervenção estatal (Keynesianismo), uma discussão bem distante dos terrenos fantásticos dos 'grandes saltos adiante' e 'planos quinquenais'.

Historicamente, dois grandes países a possuir econimias planificadas foram a China e a União Soviética. Embora demonstravelmente capazes de colher resultados a curto prazo — uma característica em comum com certo número de economias não-planificadas — ambos os experimentos foram, no fim das contas, afligidos por: perda de mobilidade social; grandes flutuações na disponibilidade de produtos e serviços; formação de mercados negros imensamente maiores que os que se formaram na época da Lei Seca nos EUA; pseudociência patrocinada pelo Estado; fomes (tanto intencionais quanto acidentais); devastação ambiental sem precedentes; falha humana sem limites; e insanidade ideológica generalizada.

Ao fim da década de 1970, a necessidade inadiável levou ambos países a remodelar suas economias. Enquanto a China é hoje ainda nominalmente comunista, sua economia diverge dramaticamente da auto-suficiência introvertida implícita nos velhos ideais (ao invés disto, expandiu-se fortemente em direção ao livre mercado internacional). Quanto à União Soviética, não mais existe — em parte, como resultado de sua economia planificada muito mais 'ideologicamente pura' ter se tornado completamente decrépita por essa exata razão. Exemplificando a falácia dos custos irrecuperáveis, mais de uma década ininterrupta mantendo o sistema vivo 'com ajuda de aparelhos' provou não surtir qualquer efeito na compensação das falhas sistêmicas que são endêmicas de enconomias planificadas.

Licença Creative Commons

Este post de Anders Bateva está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-CompartilhaIgual 3.0 Não Adaptada.Baseado no trabalho disponível em Rational Wiki - Command economy.

Arquivo anual

2012-2014: posts não mantiveram-se

Etiquetas / Assuntos

Nuvem de tags

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.