Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Anders Bateva

Clippings / recortes de não-ficção: prospecções literárias, de tudo um pouco.

Anders Bateva

Clippings / recortes de não-ficção: prospecções literárias, de tudo um pouco.

Jared Diamond -- Agricultura: heroína ou vilã?

Fonte: Jared Diamond, revista Discover, 1987. Artigo The Worst Mistake in the History of the Human Race. Artigo indicado pelo blog "English Reading and Writing". Scan do artigo originalmente publicado disponível no Internet Archive, Wayback Machine.

The advent of agriculture was a watershed moment for the human race. It may also have been our greatest blunder.

What we eat and how we eat are important both nutritionally and culturally. This selection suggests that how we get what we eat--through gathering and hunting versus agriculture, for example--has dramatic consequences. This seems pretty obvious. We all imagine what a struggle it must have been before the development of agriculture. We think of our ancestors spending their days searching for roots and berries to eat, or out at the crack of dawn, hunting wild animals. In fact, this was not quite the case. Nevertheless, isn't it really better simply to go to the refrigerator, open the door, and reach for a container of milk to pour into a bowl of flaked grain for your regular morning meal? What could be simpler and more nutritious?

There are many things that we seldom question; the truth seems so evident and the answers obvious. One such sacred cow is the tremendous prosperity brought about by the agricultural revolution. This selection is a thought-provoking introduction to the connection between culture and agriculture. The transition from food foraging to farming (what archaeologists call the Neolithic revolution) may have been the worst mistake in human history or its most important event. You be the judge. But for better or worse, this cultural evolution has occurred, and the world will never be the same again.

As you read this selection, ask youtself the following questions:

  • What is the fundamental difference between the progressivist view and the revisionist interpretation?
  • How did the development of agriculture affect people's health?
  • What three reasons explain the changes brought about by the development of agriculture?
  • How did the development of agriculture affect social equality, including gender equality?

The following terms discussed in this selection are included in the Glossary at the back of the book:

  • agricultural development
  • civilization
  • domestification of plants and animals
  • hunter-gatherers
  • Neolithic
  • paleontology
  • paleopathology
  • social stratification

To science we owe dramatic changes in our smug self-image. Astronomy taught us that our earth isn't the center of the universe but merely one of billions of heavenly bodies. From biology we learned that we weren't specially created by God but evolved along with millions of other species. Now archaeology is demolishing another sacred belief: that human history over the past million years has been a long tale of progress. In particular, recent discoveries suggest that the adoption of agriculture, supposedly our most decisive step toward a better life, was in many ways a catastrophe from which we have never recovered. With agriculture came the gross social and sexual inequality, the disease and despotism, that curse our existence.

At first, the evidence against this revisionist interpretation will strike twentieth century Americans as irrefutable. We're better off in almost every respect than people of the Middle Ages, who in turn had it easier than cavemen, who in turn were better off than apes. Just count our advantages. We enjoy the most abundant and varied foods, the best tools and material goods, some of the longest and healthiest lives, in history. Most of us are safe from starvation and predators. We get our energy from oil and machines, not from our sweat. What neo-Luddite among us would trade his life for that of a medieval peasant, a caveman, or an ape?

For most of our history we supported ourselves by hunting and gathering: we hunted wild animals and foraged for wild plants. It's a life that philosophers have traditionally regarded as nasty, brutish, and short. Since no food is grown and little is stored, there is (in this view) no respite from the struggle that starts anew each day to find wild foods and avoid starving. Our escape from this misery was facilitated only 10,000 years ago, when in different parts of the world people began to domesticate plants and animals. The agricultural revolution spread until today it's nearly universal and few tribes of hunter-gatherers survive.

From the progressivist perspective on which I was brought up, to ask "Why did almost all our hunter-gatherer ancestors adopt agriculture?" is silly. Of course they adopted it because agriculture is an efficient way to get more food for less work. Planted crops yield far more tons per acre than roots and berries. Just imagine a band of savages, exhausted from searching for nuts or chasing wild animals, suddenly grazing for the first time at a fruit-laden orchard or a pasture full of sheep. How many milliseconds do you think it would take them to appreciate the advantages of agriculture?

The progressivist party line sometimes even goes so far as to credit agriculture with the remarkable flowering of art that has taken place over the past few thousand years. Since crops can be stored, and since it takes less time to pick food from a garden than to find it in the wild, agriculture gave us free time that hunter-gatherers never had. Thus it was agriculture that enabled us to build the Parthenon and compose the B-minor Mass.

While the case for the progressivist view seems overwhelming, it's hard to prove. How do you show that the lives of people 10,000 years ago got better when they abandoned hunting and gathering for farming? Until recently, archaeologists had to resort to indirect tests, whose results (surprisingly) failed to support the progressivist view. Here's one example of an indirect test: Are twentieth century hunter-gatherers really worse off than farmers? Scattered throughout the world, several dozen groups of so-called primitive people, like the Kalahari bushmen, continue to support themselves that way. It turns out that these people have plenty of leisure time, sleep a good deal, and work less hard than their farming neighbors. For instance, the average time devoted each week to obtaining food is only 12 to 19 hours for one group of Bushmen, 14 hours or less for the Hadza nomads of Tanzania. One Bushman, when asked why he hadn't emulated neighboring tribes by adopting agriculture, replied, "Why should we, when there are so many mongongo nuts in the world?"

While farmers concentrate on high-carbohydrate crops like rice and potatoes, the mix of wild plants and animals in the diets of surviving hunter-gatherers provides more protein and a bettter balance of other nutrients. In one study, the Bushmen's average daily food intake (during a month when food was plentiful) was 2,140 calories and 93 grams of protein, considerably greater than the recommended daily allowance for people of their size. It's almost inconceivable that Bushmen, who eat 75 or so wild plants, could die of starvation the way hundreds of thousands of Irish farmers and their families did during the potato famine of the 1840s.

So the lives of at least the surviving hunter-gatherers aren't nasty and brutish, even though farmers have pushed them into some of the world's worst real estate. But modern hunter-gatherer societies that have rubbed shoulders with farming societies for thousands of years don't tell us about conditions before the agricultural revolution. The progressivist view is really making a claim about the distant past: that the lives of primitive people improved when they switched from gathering to farming. Archaeologists can date that switch by distinguishing remains of wild plants and animals from those of domesticated ones in prehistoric garbage dumps.

How can one deduce the health of the prehistoric garbage makers, and thereby directly test the progressivist view? That question has become answerable only in recent years, in part through the newly emerging techniques of paleopathology, the study of signs of disease in the remains of ancient peoples.

In some lucky situations, the paleopathologist has almost as much material to study as a pathologist today. For example, archaeologists in the Chilean deserts found well preserved mummies whose medical conditions at time of death could be determined by autopsy (Discover, October). And feces of long-dead Indians who lived in dry caves in Nevada remain sufficiently well preserved to be examined for hookworm and other parasites.

Usually the only human remains available for study are skeletons, but they permit a surprising number of deductions. To begin with, a skeleton reveals its owner's sex, weight, and approximate age. In the few cases where there are many skeletons, one can construct mortality tables like the ones life insurance companies use to calculate expected life span and risk of death at any given age. Paleopathologists can also calculate growth rates by measuring bones of people of different ages, examine teeth for enamel defects (signs of childhood malnutrition), and recognize scars left on bones by anemia, tuberculosis, leprosy, and other diseases.

One straight forward example of what paleopathologists have learned from skeletons concerns historical changes in height. Skeletons from Greece and Turkey show that the average height of hunger-gatherers toward the end of the ice ages was a generous 5' 9'' for men, 5' 5'' for women. With the adoption of agriculture, height crashed, and by 3000 B. C. had reached a low of only 5' 3'' for men, 5' for women. By classical times heights were very slowly on the rise again, but modern Greeks and Turks have still not regained the average height of their distant ancestors.

Another example of paleopathology at work is the study of Indian skeletons from burial mounds in the Illinois and Ohio river valleys. At Dickson Mounds, located near the confluence of the Spoon and Illinois rivers, archaeologists have excavated some 800 skeletons that paint a picture of the health changes that occurred when a hunter-gatherer culture gave way to intensive maize farming around A. D. 1150. Studies by George Armelagos and his colleagues then at the University of Massachusetts show these early farmers paid a price for their new-found livelihood. Compared to the hunter-gatherers who preceded them, the farmers had a nearly 50 per cent increase in enamel defects indicative of malnutrition, a fourfold increase in iron-deficiency anemia (evidenced by a bone condition called porotic hyperostosis), a theefold rise in bone lesions reflecting infectious disease in general, and an increase in degenerative conditions of the spine, probably reflecting a lot of hard physical labor. "Life expectancy at birth in the pre-agricultural community was about twenty-six years," says Armelagos, "but in the post-agricultural community it was nineteen years. So these episodes of nutritional stress and infectious disease were seriously affecting their ability to survive."

The evidence suggests that the Indians at Dickson Mounds, like many other primitive peoples, took up farming not by choice but from necessity in order to feed their constantly growing numbers. "I don't think most hunger-gatherers farmed until they had to, and when they switched to farming they traded quality for quantity," says Mark Cohen of the State University of New York at Plattsburgh, co-editor with Armelagos, of one of the seminal books in the field, Paleopathology at the Origins of Agriculture. "When I first started making that argument ten years ago, not many people agreed with me. Now it's become a respectable, albeit controversial, side of the debate."

There are at least three sets of reasons to explain the findings that agriculture was bad for health. First, hunter-gatherers enjoyed a varied diet, while early farmers obtained most of their food from one or a few starchy crops. The farmers gained cheap calories at the cost of poor nutrition. (Today just three high-carbohydrate plants — wheat, rice, and corn — provide the bulk of the calories consumed by the human species, yet each one is deficient in certain vitamins or amino acids essential to life.) Second, because of dependence on a limited number of crops, farmers ran the risk of starvation if one crop failed. Finally, the mere fact that agriculture encouraged people to clump together in crowded societies, many of which then carried on trade with other crowded societies, led to the spread of parasites and infectious disease. (Some archaeologists think it was the crowding, rather than agriculture, that promoted disease, but this is a chicken-and-egg argument, because crowding encourages agriculture and vice versa.) Epidemics couldn't take hold when populations were scattered in small bands that constantly shifted camp. Tuberculosis and diarrheal disease had to await the rise of farming, measles and bubonic plague the appearance of large cities.

Besides malnutrition, starvation, and epidemic diseases, farming helped bring another curse upon humanity: deep class divisions. Hunter-gatherers have little or no stored food, and no concentrated food sources, like an orchard or a herd of cows: they live off the wild plants and animals they obtain each day. Therefore, there can be no kings, no class of social parasites who grow fat on food seized from others. Only in a farming population could a healthy, non-producing elite set itself above the disease-ridden masses. Skeletons from Greek tombs at Mycenae c. 1500 B. C. suggest that royals enjoyed a better diet than commoners, since the royal skeletons were two or three inches taller and had better teeth (on the average, one instead of six cavities or missing teeth). Among Chilean mummies from c. A. D. 1000, the elite were distinguished not only by ornaments and gold hair clips but also by a fourfold lower rate of bone lesions caused by disease.

Similar contrasts in nutrition and health persist on a global scale today. To people in rich countries like the U.S., it sounds ridiculous to extol the virtues of hunting and gathering. But Americans are an elite, dependent on oil and minerals that must often be imported from countries with poorer health and nutrition. If one could choose between being a peasant farmer in Ethiopia or a bushman gatherer in the Kalahari, which do you think would be the better choice?

Farming may have encouraged inequality between the sexes, as well. Freed from the need to transport their babies during a nomadic existence, and under pressure to produce more hands to till the fields, farming women tended to have more frequent pregnancies than their hunter-gatherer counterparts — with consequent drains on their health. Among the Chilean mummies for example, more women than men had bone lesions from infectious disease.

Women in agricultural societies were sometimes made beasts of burden. In New Guinea farming communities today I often see women staggering under loads of vegetables and firewood while the men walk empty-handed. Once while on a field trip there studying birds, I offered to pay some villagers to carry supplies from an airstrip to my mountain camp. The heaviest item was a 110-pound bag of rice, which I lashed to a pole and assigned to a team of four men to shoulder together. When I eventually caught up with the villagers, the men were carrying light loads, while one small woman weighing less than the bag of rice was bent under it, supporting its weight by a cord across her temples.

As for the claim that agriculture encouraged the flowering of art by providing us with leisure time, modern hunter-gatherers have at least as much free time as do farmers. The whole emphasis on leisure time as a critical factor seems to me misguided. Gorillas have had ample free time to build their own Parthenon, had they wanted to. While post-agricultural technological advances did make new art forms possible and preservation of art easier, great paintings and sculptures were already being produced by hunter-gatherers 15,000 years ago, and were still being produced as recently as the last century by such hunter-gatherers as some Eskimos and the Indians of the Pacific Northwest.

Thus with the advent of agriculture the elite became better off, but most people became worse off. Instead of swallowing the progressivist party line that we chose agriculture because it was good for us, we must ask how we got trapped by it despite its pitfalls.

One answer boils down to the adage "Might makes right." Farming could support many more people than hunting, albeit with a poorer quality of life. (Population densities of hunter-gatherers are rarely over one person per ten square miles, while farmers average 100 times that.) Partly, this is because a field planted entirely in edible crops lets one feed far more mouths than a forest with scattered edible plants. Partly, too, it's because nomadic hunter-gatherers have to keep their children spaced at four-year intervals by infanticide and other means, since a mother must carry her toddler until it's old enough to keep up with the adults. Because farm women don't have that burden, they can and often do bear a child every two years.

As population densities of hunter-gatherers slowly rose at the end of the ice ages, bands had to choose between feeding more mouths by taking the first steps toward agriculture, or else finding ways to limit growth. Some bands chose the former solution, unable to anticipate the evils of farming, and seduced by the transient abundance they enjoyed until population growth caught up with increased food production. Such bands outbred and then drove off or killed the bands that chose to remain hunter-gatherers, because a hundred malnourished farmers can still outfight one healthy hunter. It's not that hunter-gatherers abandoned their lifestyle, but that those sensible enough not to abandon it were forced out of all areas except the ones farmers didn't want.

At this point it's instructive to recall the common complaint that archaeology is a luxury, concerned with the remote past, and offering no lessons for the present. Archaeologists studying the rise of farming have reconstructed a crucial stage at which we made the worst mistake in human history. Forced to choose between limiting population or trying to increase food production, we chose the latter and ended up with starvation, warfare, and tyranny.

Hunter-gatherers practiced the most successful and longest-lasting life style in human history. In contrast, we're still struggling with the mess into which agriculture has tumbled us, and it's unclear whether we can solve it. Suppose that an archaeologist who had visited from outer space were trying to explain human history to his fellow spacelings. He might illustrate the results of his digs by a 24-hour clock on which one hour represents 100,000 years of real past time. If the history of the human race began at midnight, then we would now be almost at the end of our first day. We lived as hunter-gatherers for nearly the whole of that day, from midnight through dawn, noon, and sunset. Finally, at 11:54 p. m. we adopted agriculture. As our second midnight approaches, will the plight of famine-stricken peasants gradually spread to engulf us all? Or will we somehow achieve those seductive blessings that we imagine behind agriculture's glittering facade, and that have so far eluded us?

Planeta: lixo não é produto, é matéria-prima!

Fonte: Renata Valério de Mesquita. Revista Planeta nº 502, de setembro de 2014. Artigo Jogue Dinheiro no Lixo.

Combustível Derivado de Resíduo

Uma parte dos desperdícios encaminhados para o Aterro de Paulínia (SP), da empresa Estre Ambiental, passa por uma seqüência de separações mecânicas e segue para um maquinário importado da Finlândia, único na América Latina. Apelidado de “tiranossauro”, seu sistema de trituração reduz um sofá a pedaços menores de seis centímetros. O resultado final é um massa de alto poder inflamável capaz de substituir combustíveis fósseis (como carvão e madeira), usada em caldeiras da indústria de cimento.

Com capacidade para gerar até sete mil toneladas por mês de CDR, o tiranossauro não só vai gerar novos ingressos para a empresa, como estender a vida útil do seu aterro que deixa de receber esses volumes diários de resíduos. A valorização do resíduo é uma mudança de paradigma que está acontecendo agora. Seu benefício ambiental é claro e transforma custo em rendimento.

☞ Leia mais sobre Combustível Derivado de Resíduo no site da Estre Ambiental.

Eletricidade a partir do Biogás

Em meados de agosto [de 2014], a Estre inaugurou, na unidade de Guatapará (SP), uma usina de energia elétrica por biogás, a primeira das dez planejadas até 2017. Com capacidade para gerar 3 mil megawatts por hora (MWh), a planta pode abastecer uma cidade de 18 mil habitantes.

☞ Leia mais sobre conversão de biogás em eletricidade no site da Estre Ambiental.

A Biogás Energia Ambiental, que já atua no mercado há dez anos, tem hoje as usinas de Gramacho, no Rio de Janeiro, e São João e Bandeirantes, ambas em São Paulo. A São João, em São Miguel, opera no limite máximo de geração, 20 MWh (gerando energia para 150 mil habitantes). A usina extrai gás do aterro de mesmo nome – que recebeu 28 milhões de toneladas de resíduos até ser fechado em 2009, e vai gerar metano por de duas décadas – e da Central de Tratamento de Resíduos Leste (CTL), aberta em 2010 logo ao lado, também na estrada do Sapopemba.

Enquanto aguarda a construção do gasoduto que ligará o Aterro Dois Arcos, em São Pedro da Aldeia (RJ), à rede da Companhia Estadual de Gás do Rio de Janeiro (CEG-Rio), previsto para 2015, a Usina de Tratamento de Biogás dará outro fim para o biogás. Além de comprimir e entregar o gás gerado a um consumidor industrial, vai usá-lo como gás natural veicular (GNV) na sua frota de carros e caminhões de lixo. Os oito municípios da Região dos Lagos, atendidos pelo aterro, representam melhor a realidade do mercado de lixo brasileira do que as grandes capitais do país.

☞ Leia mais sobre a Usina de Biogás do Aterro Dois Arcos no site da Ecometano.

Construção civil

Embora se possa aproveitar de diferentes formas o gás dos aterros, é crucial fazer cada vez mais materiais retornarem à cadeia de produção. Constituído em 2007, o Consórcio Pró-Sinos, que reúne 27 dos 32 municípios da Bacia Hidrográfica do Rio dos Sinos (RS) – onde vivem 1,7 milhão de pessoas – apostou em outra solução para outro grande problema ambiental: construiu uma usina de beneficiamento de resíduos da construção civil, em São Leopoldo. A construção civil é o maior gerador de lixo da economia moderna.

O entulho levado para lá é processado para se tornar brita, areia reciclada, bica corrida (brita com granulação maior) e material para aterro. O produto mais barato é a areia, que custa[va, em 2014] R$ 28 por metro cúbico para particulares, R$ 24 para municípios em geral e R$ 20 para municípios associados. Desde que a usina entrou em operação, em dezembro de 2013, o consórcio recebe 16% do faturamento da empresa que ganhou a concessão de 20 anos do negócio.

☞ Leia mais sobre a Usina de RCC no site do Consórcio Pró-Sinos.

Compostagem: biofertilizantes

A compostagem transforma os restos orgânicos em biofertilizantes e é indicada para municípios pequenos, pelo tipo de lixo que geram e pela maior demanda por adubo. Segundo Kozerski, isso não traz lucro direto, principalmente sem bioaceleradores e biodigestores (tecnologias mais novas nessa área), mas aumenta a vida útil do aterro e sobretudo o retorno do investimento feito nele. Outra forma de estender a vida útil do aterro é fazer uma boa coleta seletiva para reciclagem, porque assim as prefeituras podem levar menos coisa ao aterro e reduzir seus gastos com transporte.

Planeta - Fracking e Gás de Xisto: porquê estão sendo usados?

Fonte: Eduardo Araia. Revista Planeta, nº 491, de setembro de 2013. Artigo Esta Pedra Vai Mudar o Mundo?, originalmente patrocinado pela Chevrolet (General Motors, EUA).

Quem diria que os Estados Unidos, o maior consumidor de energia do mundo, poderiam se tornar autossuficientes em 2035? Pois esse foi o prognóstico da Agência Internacional de Energia (IEA, em inglês) no seu relatório de 2012, o World Energy Outlook, ao analisar as transformações por que o país vem passando desde que uma rocha -- o xisto -- e um polêmico meio de extrair petróleo e gás -- o fraturamento hidráulico, mais conhecido como fracking -- ganharam peso na produção energética americana. [...]

[...]

Os norte-americanos possuem enormes reservas do mineral, mas até 2006 os métodos disponíveis para extrair combustível da rocha eram muito caros. Naquele ano, porém, empresas de petróleo e gás começaram a usar o fracking: o fraturamento hidráulico, ou fracking, é conhecido desde os anos 1940, mas nos últimos anos o aumento nos custos da exploração de petróleo e gás viabilizou economicamente seu uso. O resultado não tardou: já existem mais de 20 mil poços em operação no país, e o gás natural, que até 2000 representava 1% da produção de energia do país, saltou para 30% em 2010 e poderá chegar a 50% em 2035.

[...] Os suprimentos de gás natural agora economicamente recuperáveis do xisto nos EUA poderiam acomodar a demanda doméstica do país por gás natural nos níveis atuais de consumo por mais de 100 anos, anunciam os pesquisadores Michael McElroy e Xi Lu, da Universidade de Harvard, no artigo Fracking's Future, publicado na edição de fevereiro de 2013 da Harvard Magazine.

Embora favorável à energia renovável, o governo do presidente Barack Obama apoia[va] a produção do gás de xisto, mesmo com a controvérsia ambiental que cerca a questão, por três motivos:

  1. Em primeiro lugar, o gás natural é o menos poluente dos combustíveis fósseis, uma vantagem para um país que usa carvão e petróleo para gerar energia. A Agência Ambiental Americana (EPA, na sigla em inglês) credita a melhora geral da poluição atmosférica no país nos últimos anos ao aumento no aumento do uso do gás de xisto;
  2. Em segundo lugar, há vantagens econômicas indiscutíveis: o gás de xisto fez o preço do insumo cair nos EUA de US$ 12 para US$ 3 por milhão de BTU; para comparar, o preço do gás convencional no Brasil custa entre US$ 12 e US$ 16 por milhão de BTU (sigla para British Termal Unit, "unidade térmica britânica", medida para gás). A queda de preços faz os EUA importarem menos petróleo, explica o físico José Goldemberg, uma vez que o gás vem substituindo derivados do petróleo tanto na indústria quanto no transporte. Os americanos passaram até a exportar gás de xisto;
  3. A terceira razão é geopolítica: a autossuficiência energética livraria os EUA da dependência de fornecedores problemáticos e/ou potencialmente hostis, como os países árabes e a Venezuela. Como efeito colateral, a saída do megacomprador norte-americano baixaria os preços do petróleo e até poderia inviabilizar alguns projetos de produção, salienta Goldemberg: Até a exploração do pré-sal no Brasil poderia ser afetada pela queda dos preços produzida pelo gás do xisto.

Paraná, Brasil

O Brasil explora o xisto em escala industrial desde 1972, quando a Petrobrás abriu uma refinaria de Industrialização do Xisto, a SIX, em São Mateus do Sul (PR). A cada dia, cerca de 7 mil toneladas da rocha são retiradas do solo por técnicas de mineração, moídas e submetidas a altas temperaturas. Desse processo são obtidos diariamente 4 mil barris de petróleo, além de derivados como o enxofre.

A atividade apresenta 2 impactos ambientais salientes:

  1. processo de abertura das minas: implica a retirada da vegetação e do solo;
  2. processamento e refino: emite gases-estufa.

Lutzenberger - Agrotóxicos: origem nas guerras mundiais

Fonte: José Lutzenberger , em Coleção Universidade Livre - Ecologia: do Jardim ao Poder. 10ª edição. Capítulo "A Problemática dos Agrotóxicos".

Como surgiu e proliferou a agroquímica? Interessante é notar que ela não foi desencadeada por pressão da agricultura. A grande indústria agroquímica que impõe seu paradigma à agricultura moderna é resultado do esforço bélico da duas grandes guerras mundiais, 1914-18 e 1938-45.

A primeira deu origem aos adubos nitrogenados solúveis de síntese. A Alemanha, isolada do salitre do Chile pelo bloqueio dos Aliados, para a fabricação em grande escala de explosivos, viu-se obrigada a fixar o nitrogênio do ar pelo processo Haber Bosch. Depois da guerra, as grandes instalações de síntese do amoníaco levaram a indústria química a procurar novos mercados. A agricultura se apresentou como mercado ideal.

Da mesma maneira, ao terminar a segunda das guerras mundiais, a agricultura surge, novamente, como mercado para desenvolvimentos que apareceram com intenções destrutivas, não construtivas.

A serviço do Ministério da Guerra, químicos das forças armadas americanas trabalhavam febrilmente na procura de substâncias que pudessem ser aplicadas de avião para destruir as colheitas dos inimigos. Um outro grupo, igualmente interessado na devastação, antecipou-se a eles. Quando a primeira bomba atômica explodiu, no verão de 1945, viajava em direção ao Japão um barco americano com uma carga de fitocidas, então declarados como LN 8 LN 14, suficientes para destruir 30% das colheitas. Com a explosão das bombas, o Japão capitulou, o barco voltou. Mais tarde, na Guerra do Vietnam, estes mesmos venenos, com outros nomes, tais como "agente laranja" e agentes de outras cores, serviram para destruição de dezenas de milhares de quilômetros quadrados de floresta e de colheitas. Da mesma maneira que os físicos que fizeram a bomba, para não ter que abolir as estruturas burocráticas das quais agora dependiam, propuseram o uso pacífico da energia nuclear, os químicos que conceberam aquela forma de guerra química passaram a oferecer à agricultura seus venenos, agora chamados de herbicidas, do grupo do ácido fenoxiacético, o 2,4-D e o 2,4,5-T MCPA e outros.

Na Alemanha, entre os gases de guerra, concebidos para matar gente em massa, estavam certos derivados do ácido fosfórico. Felizmente não foram usados em combate. Cada lado tinha medo demais dos venenos do outro. Após a guerra, existindo grandes estoques e grandes capacidades de produção, os químicos lembraram-se que o que mata gente também mata inseto. Surgiram e foram promovidos assim os inseticidas do grupo parathion.

Também o DDT, que só foi usado para matar insetos, surgiu na guerra. As tropas americanas no Pacífico sofriam muito com a malária. O dicloro-difenil-tricloroetil, conhecido há mais tempo, mas cujas qualidades inseticidas acabavam de ser descobertas, passou a ser produzido em grande escala e usado com total abandono. Aplicava-se de avião em paisagens inteiras, tratava-se as pessoas com enxurradas de DDT. Depois da guerra, mais uma vez, a agricultura serviu para dar vazão aos enormes estoques sobrantes e para manter funcionando as grandes capacidades de produção que foram montadas.

...

Tikopia: sustentabilidade ecológica na Polinésia

Fonte: Peter Gelderloos, livro "A Anarquia Funciona". Editora Subta. Originalmente publicado em 2010 (inglês). À venda pela Editora Monstro dos Mares.

Tikopia, uma ilha no Pacífico habitada por um povo polinésio, traz um bom exemplo de uma sociedade descentralizada e anárquica que lidou com sucesso com problemas ambientais de vida e morte. A ilha tem somente 4,66 km² de área e possui 1200 habitantes. A comunidade existe sustentavelmente há três mil anos. Tikopia é coberta por pomares-hortas que imitam as florestas úmidas naturais. À primeira vista, a maior parte da ilha parece ser coberta pela floresta, embora só tenha sobrado floresta úmida em algumas partes íngremes da ilha. Tikopia é pequena o suficiente para que todos os seus habitantes tornem-se familiares com seu ecossistema inteiro. Ela também é isolada; assim, por um longo tempo, não se pôde importar recursos ou exportar as consequências de seu estilo de vida. Cada um dos quatro clãs tem um chefe, apesar de estes não possuírem poderes coercitivos e desempenharem um papel cerimonial de guardadores da tradição. Tikopia está entre as sociedades menos estratificadas socialmente das ilhas polinésias. Por exemplo, os chefes também têm de trabalhar para produzir sua própria comida. O controle populacional é um valor comum e é considerado imoral ter mais que um certo número de filhos.

Em um impressionante exemplo do poder desses valores compartilhados coletivamente e mantidos coletivamente, por volta do ano 1600 os habitantes da ilha tomaram a decisão de interromper a criação de porcos. Eles mataram todos os porcos da ilha, mesmo que a carne suína fosse uma fonte de alimento altamente valorizada, porque sustentar os porcos causava uma pressão muito grande no meio ambiente. Em uma sociedade mais estratificada e hierarquizada, isso poderia ter sido impossível, porque a elite provavelmente forçaria os mais pobres a sofrer as consequências do seu estilo de vida, ao invés de abandonar um produto de luxo muito estimado.

Antes da colonização e da desastrosa chegada dos missionários, os métodos de controle populacional em Tikopia envolviam contracepção natural, aborto e abstinência para os mais jovens – embora este fosse um celibato compassivo que correspondia mais a uma proibição da reprodução que do sexo em si. Os tikopianos também tinham outras formas de controle populacional, como o infanticídio – o que muitas pessoas em outras sociedades considerariam inadmissível – mas Tikopia ainda nos traz um exemplo perfeitamente válido porque, com a efetividade da contracepção moderna e das técnicas abortivas, nenhum outro método é necessário para uma abordagem descentralizada do controle populacional.

O aspecto mais importante do exemplo tikopiano é seu ethos: reconhecer viver em uma ilha em que os recursos eram limitados, de modo que aumentar sua população seria equivalente a um suicídio. Outras sociedades de ilhas polinésias ignoravam essa questão e acabaram extinguindo-se. O planeta Terra, neste sentido, também é uma ilha; nessa linha, precisamos desenvolver tanto uma consciência global quanto economias localizadas, de modo que possamos evitar exceder a capacidade do solo e permanecer atentas às outras coisas vivas com as quais compartilhamos esta ilha.

Referência

Mudanças climáticas: culpa nossa?

Fonte: Roberto Giansanti. "O Desafio do Desenvolvimento Sustentável" - 6ª edição - 1998 - Atual Editora. Capítulo 4: Impactos ambientais no mundo moderno; seção "Poluição atmosférica".

Hipótese

A hipótese de intensificação do efeito estufa é bastante simples: quanto maior for a concentração de gases, maior será o aprisionamento de calor, e consequentemente, mais alta a temperatura do globo terrestre, explica Molion. No entanto, é justamente essa previsão alarmista o ponto central das discordâncias. Alguns pesquisadores questionam em que medida o aquecimento global, caso esteja ocorrendo, resulta do efeito estufa provocado pelo homem.

O CO2 é apontado como o principal responsável pelo provável aquecimento global. Trata-se do segundo gás em importância na atmosfera (atrás somente do vapor d'água) e sua concentração, embora ainda seja baixa, vem crescendo a uma taxa de 0,4% ao ano. Estima-se que são lançados 7 bilhões de toneladas de CO2 a cada ano na atmosfera, sendo cerca de 75% devido à queima de combustíveis fósseis (como petróleo e carvão mineral) e 25% pela queima de florestas, sobretudo as tropicais.

Simulações apontam que, se a quantidade de CO2 na atmosfera duplicasse, a temperatura média na Terra aumentaria entre 1,5 e 4,5°C. Essa situação poderia provocar o degelo parcial de geleiras e calotas polares, elevando o volume de água dos oceanos em até 1,5 metro e comprometendo 60% das áreas litorâneas. Também são previstas alterações nos ritmos de precipitação e umidade e a redução da biodiversidade, pois algumas espécies não resistiriam às mudanças.

Contraponto

No entanto, há controvérsias nas previsões. O único fato concreto e demonstrável é que houve um incremento de 25% nas taxas de CO2 nasa atmosfera ao longo dos últimos 150 anos, com notável acréscimo a partir dos anos 50. Atribui-se esse fato à expansão industrial pós-Segunda Guerra. Mas não se pode afirmar com segurança que esteja havendo aquecimento global. Há bons argumentos que dizem o contrário. Estaríamos entrando em um período pré-glacial, com tendência a rebaixamento das médias térmicas.

Estudos realizados por pesquisadores eutropeus e norte-americanos demonstram que o aquecimento global estaria entre 0,3°C e 0,6°C, valores situados no limite inferior das demonstrações de intensificação do efeito estufa feitas em laboratório. A década de 80 teve os cinco anos mais quentes das séries globais. Porém, ao mesmo tempo, observou-se um resfriamento sobre os oceanos Pacífico e Atlântcos de até -1,5°C e, na parte continental dos Estados Unidos, essa não foi a década mais quente do século, perdendo para a de 30 e superando por pouco a de 50. Estudos feitos também na parte continental dos Estados Unidos mostram variações térmicas de grande amplitude e períodos de pequena alteração. Por exemplo, entre 1920 e 1940, quando as atividades industriais ainda não eram tão intensas e disseminadas, houve um significativo aumento de temperatura; o período posterior, entre 1940 e 1970, apresentou sensível doiminuição das médias térmicas.

É preciso considerar que há problemas para a obtenção de dados para fazer aquelas previsões. Os métodos de aferição das temperaturas foram muito variados nos últimos 150 anos. Além disso, as estações metereológicas sofreram mudanças (de lugar, de ocupação do entorno) que comprometem alguns resultados. Naquelas que se mantiveram mais ou menos inalteradas, as variações encontradas são insignificantes. De outro lado, as experiências feitas em laboratório não captam aspectos importantes para as variações térmicas na atmosfera, como a forma e distibuição das nuvens, as correntes de ar, o ciclo hidrológico, as diferenças térmicas entre equador e pólos, etc.

Assim, se existe um aquecimento global, ele não possui distribuição uniforme na superfície da Terra. Há até mesmo lugares que têm apresentado diminuição das médias de temperatura. A hipótese de que estamos chegando ao final de um período interglacial, segundo Molion, é reforçada pelo avanço de geleiras nos pólos e invernos cada vez mais rigorosos, particularmente no Hemisfério Norte. A Pequena Idade do Gelo, ocorrida entre 1650 e 1850, pode ser também um prenúncio dessa nova fase. Deve-se levar em conta que um eventual resfriamento poderia ser até mais catastrófico do que a intensificação do efeito estufa, pela diminuição das áreas agrícolas, períodos mais secos nos trópicos e inviabilidade de ocupação das áreas de altas latitudes.

Não se pode esquecer do papel da natureza nas variações de elementos climáticos, como as mudanças nos índices de albedo (refletividade média da superfície) do planeta e no sistema El Niño-Oscilação Sul (ENOS), além de erupções vulcânicas (que podem provocar resfriamento no período subsequente à sua ocorrência) e alterações nas correntes oceânicas.

Conclusão

Assim, a única conclusão plausível em toda essa discussão, além do aumento das emissões de CO2, é que há incertezas na velocidade e no efeito global e regional do enriquecimento de gases-estufa na atmosfera. A polêmica também serve para chamar a atenção para a crescente capacidade do ser humano de realizar transformações de grande monta em curto espaço de tempo. Muitos efeitos naturais e humanos ainda precisam ser mais bem estudados.

Agricultura sustentável na China

Fonte: Roberto Giansanti. "O Desafio do Desenvolvimento Sustentável" - 6ª edição - 1998 - Atual Editora. Capítulo 6: O uso sustentável dos recursos; seção "Sistemas agrícolas sustentáveis".

Uma experiência de uso sustentável dos recursos em comunidades agrícolas foi desenvolvida na China. Nesse país, a revolução socialista de 1949 colocou o desafio de alimentar a enorme população, hoje na casa de 1,1 bilhão de habitantes. Foram implementadas então comunas agrícolas auto-suficientes. Não obstante as dificuldades impostas pela rigidez do regime político, muitas delas puderam desenvolver práticas sustentáveis.

Em comunas de até 90 mil habitantes situadas nas planícies orientais do país, foram criados sistemas integrados de culturas agrícolas, pecuária, psicultura e formas renováveis de energia. Cada equipe de produção, composta em média por 90 famílias, produz toda a energia, os alimentos e os fertilizantes necessários, colocando o excedente nas cidades vizinhas. Nada é desperdiçado: folhas de bananeira e fibras de cana-de-açúcar servem de alimento para os peixes e de combustível para estufas de gás biológico; as estufas e os biodigestores, que funcionam com excrementos humanos e do gado e com vegetais (como os jacintos aquáticos), decompõem a matéria orgânica, gerando o gás metano, utilizado na cozinha e na geração de energia elétrica.

Essa opção energética diminuiu a pressão sobre as matas nativas e as plantadas para a obtenção de lenha. Desde 1968, uma rede de 90 mil miniusinas hidrelétricas complementam a demanda de energia no país. De custo relativamente mais baixo, dispensam as redes de distribuição da energia elétrica produzida e são ideais para abastecer indústrias rurais, escolas e hospitais.

A criação de peixes é realizada em tanques com espécies que se alimentam de plantas aquáticas, folhas de cana, ervas e algas, na parte superficial, e outras que absorvem resíduos, na parte inferior. Esse pequeno ecossistema funciona em águas residuais, usando-se o limo resultante como fertilizante. O sistema rende, em média, cerca de 4,5 toneladas de peixes ao ano por hectare, com índice de proteínas cinco vezes maior do que a pesca convencional. Já nas culturas agrícolas, a suficiência da mão-de-obra permite o cultivo em fileiras alternadas, com benefícios simbióticos para as plantas e para o solo. Algumas leguminosas, por exemplo, suprem o nitrogênio exigido pela cultura de trigo.

O sistema de comunas, se não permitiu uma superabundância, propiciou níveis razoáveis de alimentação para a gigantesca população da China. Graças ao sistema de irrigação construído, o país é responsável por um terço da produção mundial de arroz, o equivalente à produção conjunta da Índia, Indonésia, Bangladesh, Japão e Tailândia. Os chineses produzem 2 milhões de toneladas de peixes de água doce ao ano, em 6 milhões de toneladas anuais no mundo.

Assim, mesmo considerando a eventual perspectiva de desestruturação do sistema de comunas pela abertura econômica da China (com a criação das Zonas Econômicas Especiais, que demandam mão-de-obra), permanece a importante experiência de uso sustentável dos recursos. Enfatizando o uso intensivo da mão-de-obra, o país dispensa a maquinaria cara e inacessível. Ao optar por fontes alternativas de energia, elimina a dependência dos combustíveis fósseis. Os chineses desenvolveram também outras práticas sustentáveis, como a seleção de variedades de sementes para o cultivo, o controle biológico de pragas e o terraceamento para conservação dos solos.

O que é o Dieselgate (escândalo das emissões Diesel da Volkswagen)?

Resumido de: Wikipedia, the free encyclopedia.

Iniciado em 18/09/2015, quando a EPA dos EUA emitiu uma notificação de violação para o Volkswagen Group. Foi constatado pela agência que a Volkswagen havia programado motores Diesel TDI, intencionalmente, para ativar alguns controles de emissões somente durante os testes de emissões em laboratório. Tal fraude fazia os veículos cumprirem as normas de emissões de NOx os EUA, ao mesmo tempo em que, em condições reais de uso, emitiam até 40x além do permitido. Tal programação fraudulenta foi aplicada em cerca de 11 milhões de carros mundialmente, sendo 500 mil deles nos EUA, entre 2009 e 2015.

O caso todo veio à tona devido a discrepâncias nos resultados das emissões dos veículos nos EUA e na Europa, conforme medido de forma independente por múltiplos indivíduos ao longo do tempo, e compilado por estudo encomendado pelo ICTT (Concelho Internacional em Transporte Limpo). As conclusões foram entregues para o CARB (Autoridade Californiana de Poluição Aérea) em maio de 2014.

Múltiplas autoridades reguladoras, de vários países, abriram investigação contra a Volkswagen. As ações da empresa perderam 1/3 do valor imediatamente, o CEO Martin Winterkorn se demitiu, e vários diretores foram suspensos.

O caso da Volkswagen teve o efeito interessante de revelar que os outros fabricantes estavam fazendo a mesma burla, e até com muito mais intensidade... Outro estudo, encomendado pela ICTT, mostrou que Volvo, Renault, Jeep, Hyundai, Citroën, e FIAT, todos fabricam carros Diesel que, em condições reais, poluem mais que o permitido, e mais que a Volkswagen. Isto pode levar a novos escândalos... O da Volkswagen continua sendo o principal, no momento.

Houve um ponto debatido, nisto tudo, de que maquinário controlado por software seria geralmente propenso a abusos, e que a solução seria abrir o código-fonte para inspeção geral pelo público.

Dinheiro

Em abril de 2017, um juiz federal decretou multa de US$2.8 bilhões para a Volkswagen, por preparar motores Diesel diretamente para o objetivo de fraudar testes federais de emissões. A Volkswagen, em algum momento, anunciou planos de gastar US$7,3 bilhões na retificação dos problemas de emissões, incluindo campanha de recall dos veículos em fraude. O valor planejado depois foi ampliado para US$18.32 bilhões.

Licença Creative CommonsO texto deste post de Anders Bateva está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional. Deriva-se do artigo na Wikipedia anglófona Volkswagen Emissions Scandal

Assuntos (Índice)

 

Nuvem de tags (todas as etiquetas)

Arquivo anual

2012-2014: posts não mantiveram-se

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.