Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Anders Bateva

Clippings / recortes de não-ficção: prospecções literárias, de tudo um pouco.

Anders Bateva

Clippings / recortes de não-ficção: prospecções literárias, de tudo um pouco.

Roteadores Fast Ethernet: comparativo 2020

Roteadores que não possuem portas RJ45 Gigabit Ethernet
Marca Linha Modelo Fonte de alimentação externa
(entrada)
IEEE 802.11 (Wi-Fi) Portas RJ45 fixas WPA2
2.4GHz
b/g/n
5Ghz Fast Eth.
(10/100)
Gigabit Eth.
(10/100/1000)
MercuSys AC12 Fonte de alimentação externa IEEE 802.11a/n/ac 5GHz 3 LAN + 1 WAN
MW330HP Fonte de alimentação externa 3 LAN + 1 WAN
MW325R Fonte de alimentação externa 4 LAN + 1 WAN
MW305R Fonte de alimentação externa 3 LAN + 1 WAN
MW301R Fonte de alimentação externa 2 LAN + 1 WAN
Multilaser RE160V ? ? ? ?
RE016 ? ? ? ?
RE010 ? ? ? ?
RE018 ? ? ? ?
Intelbras Residenciais IWR 3000N 100-240 V a 50/60 Hz 4 LAN + 1 WAN
RF 301K 100-240 V a 50/60 Hz 3 LAN + 1 WAN
ACtion RF 1200 100-240 V a 50/60 Hz 802.11a 6 Mbps; 802.11ac 1 WAN + 3 LAN
Empresariais AP 310 PoE 1 LAN
AP 360 PoE 1 LAN
Wi-Fi Mesh Twibi Fast 100–240 V a 50/60 Hz IEEE 802.11ac/a/n 5 GHz 1 LAN/WAN + 1 LAN
Tenda
(for home)
AC AC6 100-240V—50/60Hz, 0.2A IEEE 802.11ac/a/n 5GHz 3 LAN + 1 WAN
D305 Input: 100 - 240V 50/60Hz 3 LAN + 1 WAN
FH1202 100-240V—50/60Hz 0.3A   3 LAN + 1 WAN
FH1206 100-240V—50/60Hz 0.3A IEEE 802.11ac, IEEE 802.11n, IEEE 802.11a 3 LAN + 1 WAN
V300 100 - 240V 50/60Hz 3 LAN + 1 WAN
FH1201 100-240V—50/60Hz 0.3A IEEE 802.11ac, IEEE 802.11n, IEEE 802.11a 3 LAN + 1 WAN
D303 100-240V 50/60MHz 3 LAN + 1 WAN
D301v2 100 - 240V 50/60Hz 3 LAN + 1 WAN
D151 V2 100 - 240V 50/60Hz 3 LAN + 1 WAN
300M A9 ?
FH456 100-240V—50/60Hz 0.3A 3 LAN + 1 WAN
F3 ? 3 LAN + 1 WAN
AP5 PoE 2 RJ45
AP4 PoE 2 LAN
D305 100 - 240V 50/60Hz 3 LAN + 1 WAN
N301 ? 3 LAN + 1 WAN
F300 ? 4 LAN + 1 WAN
D-Link Residencial DIR-615 X1 100 to 240 V AC, 50/60 Hz 4 LAN
1 WAN
DSL-2740E 100 to 240 V AC, 50/60 Hz 4 x LAN
DIR-819 100 to 240 V AC, 50/60 Hz 802.11ac; 802.11n; 802.11g; 802.11a; 802.11b 4 x LAN
1 x WAN
DIR-815 100 to 240 V AC, 50/60 Hz 802.11ac; 802.11n; 802.11g; 802.11a; 802.11b 4 x LAN
1 x WAN
DIR-615 100 to 240 V AC, 50/60 Hz 4 x LAN
1 x WAN
Empresarial DAP-2230 100-240V 1 x LAN
TP-Link
(Residencial)
Wi-Fi TL-WR849N Fonte de Alimentação Externa 4 LAN + 1 WAN
TL-WR840N Fonte de Energia 4 LAN + 1 WAN
TL-WR820N Fonte de Energia 2 LAN + 1 WAN
TL-WR940N Fonte de Energia 4 LAN + 1 WAN
Archer C20 Fonte de Energia IEEE 802.11ac/n/a 5 GHz 4 LAN + 1 WAN
Archer C50 Fonte de Energia IEEE 802.11ac/n/a 5 GHz 4 LAN + 1 WAN
Archer C60 Fonte de Alimentação Externa IEEE 802.11ac/n/a 5GHz 4 LAN + 1 WAN
Deco M3 adaptadores de energia IEEE 802.11 ac/n/a 5 GHz
Deco E4 100-240V/50-60Hz IEEE 802.11 ac/n/a 5 GHz 2 LAN/WAN
TL-WR829N Fonte de Alimentação Externa 1 WAN + 2 LAN
Deco E3(2-pack) 100-240V~ 50/60Hz IEEE 802.11 ac/n/a 5 GHz 2 LAN/WAN
Alta Potência TL-WR941HP Fonte de Energia 1 WAN + 4 LAN
TL-WR841HP Fonte de Energia 1 WAN + 4 LAN
TP-Link
(Empresarial)
APs de Gerência
Centralizada
EAP225-Wall PoE IEEE 802.11n/g/b/ac 1 UL + 3 DL
OC200 PoE 2 portas
EAP110 PoE 1 porta
EAP115 PoE 1 porta

Roteadores Gigabit Ethernet: comparativo 2020

Roteadores que possuem portas RJ45 Gigabit Ethernet
Marca Linha Modelo Fonte de alimentação externa
(entrada)
IEEE 802.11 (Wi-Fi) Portas RJ45 fixas WPA2
2.4GHz
b/g/n
5Ghz Fast Eth.
(10/100)
Gigabit Eth.
(10/100/1000)
MercuSys AC12G Fonte de alimentação externa IEEE 802.11a/n/ac 5 GHz 3 LAN + 1 WAN
Intelbras Residenciais ACtion RG 1200 100-240 V a 50/60 Hz 802.11a 6 Mbps; 802.11ac 1 WAN + 3 LAN
GF 1200 100-240 V a 50/60 Hz 802.11a; 802.11n; 802.11ac 3 LAN 1 WAN
Empresariais AP 1210 AC PoE IEEE 802.11a/ac 1 LAN
Wi-Fi Mesh Twibi Giga 100–240 V a 50/60 Hz IEEE 802.11ac/a/n 5 GHz 1 LAN/WAN + 1 LAN
Tenda
(for home)
AC AC18 100-240V—50/60Hz IEEE 802.11ac/a/n 5GHz 1 WAN + 4 LAN
AC15 100-240V—50/60Hz IEEE 802.11ac/a/n 5GHz 3 LAN + 1 WAN
AC9 100-240V—50/60Hz IEEE 802.11ac/a/n 5GHz 1 WAN + 4 LAN
F9 ? 3 LAN + 1 WAN
Tenda
(For business)
i12 Power Adapter 1 porta
M3 AC100~240V 50/60Hz 5 LAN
G3 AC 100~240V 50/60Hz    
W6-S PoE 802.3af    
D-Link Residencial DIR-842 ? IEEE 802.11a; IEEE 802.11b; IEEE 802.11g; IEEE 802.11n (2.4GHz); IEEE 802.11n (5GHz); IEEE 802.11ac (5GHz) 1 WAN + 4 LAN
DIR-841 ? IEEE 802.11a; IEEE 802.11b; IEEE 802.11g; IEEE 802.11n (2.4GHz); IEEE 802.11n (5GHz); IEEE 802.11ac (5GHz) 4 LAN 1 WAN
DPN-1452DG 100-240V (50/60Hz) 802.11ac (Wi-Fi 5); 802.11n; 802.11g; 802.11a; 802.11b 4 x LAN 10/100/1000Mbps
1 x WAN PON UPC/SC
DIR-X6060 100 to 240 V AC, 50 / 60 Hz 802.11ax (Wi-Fi 6); 802.11ac; 802.11n; 802.11g; 802.11a; 802.11b 4 x LAN 10/100/1000 Mbps
1 x WAN 100/1000/2500 Mbps
DIR-846 ? 802.11ac (Wi-Fi 5); 802.11n; 802.11g; 802.11a; 802.11b 1 WAN + 4 LAN
DIR-1360 100 to 240 V AC, 50 / 60 Hz 802.11ac (Wi-Fi 5); 802.11n; 802.11g; 802.11a; 802.11b 1 WAN + 4 LAN
DIR-3060 100 to 240 V AC, 50 / 60 Hz 802.11ac (Wi-Fi 5); 802.11n; 802.11g; 802.11a; 802.11b 1 WAN + 4 LAN
DIR-1960 100 to 240 V AC, 50 / 60 Hz 802.11ac (Wi-Fi 5); 802.11n; 802.11g; 802.11a; 802.11b 1 WAN + 4 LAN
DIR-853 Input: 100 to 240 V AC, 50/60 Hz 802.11ac (Wi-Fi 5); 802.11n; 802.11g; 802.11a; 802.11b 1 WAN + 4 LAN
DWR-920V Fonte de alimentação Bivolt G/N 2 LAN
DIR-825 100 to 240 V AC, 50/60 Hz 802.11ac; 802.11n; 802.11g; 802.11a; 802.11b 1 WAN + 4 LAN
DIR-2680 ? 802.11ac; 802.11n; 802.11g; 802.11a; 802.11b 3 x LAN
1 x WAN
Empresarial DWL-8710AP ? 802.11ac 2 LAN
DAP-3662 ? 802.11ac 2 LAN
DAP-2610 100-240V 802.11a; 802.11ac; 802.11b; 802.11g; 802.11n 1 x LAN
TP-Link
(Residencial)
Wi-Fi Archer C2 Fonte de Alimentação Externa ✔+ax IEEE 802.11ax/ac/n/a 5 GHz 1 WAN + 4 LAN
Archer C7 Fonte de Energia IEEE 802.11ac/n/a 5 GHz 1 WAN + 4 LAN
Deco M4 100-240V ~ 50/60Hz IEEE 802.11 ac/n/a 5 GHz 2 LAN/WAN
Deco M5 100-240V ~ 50/60Hz IEEE 802.11 ac/n/a 5 GHz 2 LAN/WAN
Archer C6 Fonte de Energia IEEE 802.11ac/n/a 5 GHz 1 WAN + 4 LAN
Archer AX10 Fonte de Energia IEEE 802.11ax/ac/n/a 5 GHz 1 WAN + 4 LAN
TP-Link
(Empresarial)
APs de Gerência
Centralizada
EAP245 V3 PoE IEEE 802.11ac/n/g/b/a 2 RJ-45
EAP225 PoE IEEE 802.11ac/n/g/b/a 1 RJ-45
EAP225-Outdoor PoE IEEE 802.11ac/n/g/b/a 1 RJ-45
VPN TL-ER6120 V2 AC100-240V~ 50/60Hz 1 WAN + 1 LAN + 3 WAN/LAN
TL-ER6020 AC100-240V~ 50/60Hz 1 WAN + 1 LAN + 3 WAN/LAN
TL-R600VPN AC100-240V~ 50/60Hz 1 WAN + 4 LAN
Load Balance TL-ER5120 AC100-240V~ 50/60Hz 1 WAN + 1 LAN + 3 WAN/LAN
TL-R480T+ AC100-240V~ 50/60Hz 1 WAN + 1 LAN + 3 WAN/LAN
TL-R470T+ ? 1 WAN + 1 LAN + 3 WAN/LAN

Notebooks Samsung: comparativo 2019

Checagem: 31/05/2019, em todos os Essentials (8), excluídos modelos com memória Flash (3).
As demais linhas custam todas de R$3.000 pra cima, ou custam menos de R$2.000 e têm memória Flash. Não me interessaram, e por isto não conferi.

Role para o lado usando as teclas ← e → para visualizar todos os atributos dos modelos.

Essentials (não-Flash)
  E20 E30 E35
  NP350XAA-KDABR NP350XAA-KDBBR NP350XAA-KF3BR NP350XAA-KF4BR NP340XAA-KW2BR
R$ 1.899 2.349 ?
CPU Intel Celeron 3865U
  • Núcleos: 2;
  • Threads: 2;
  • Clock-base: 1.80 GHz;
  • Cache: 2 MB.
Intel Core i3-7020U (7ª g.)
  • Núcleos: 2;
  • Threads: 4;
  • Clock-base: 2.30 GHz;
  • Cache: 3 MB.
GPU Intel® HD Graphics 610 Intel® HD Graphics 620
RAM 4 GB DDR4
OS Windows 10 Home
Tela 15.6" HD LED (1366 x 768) antirreflexiva 15.6" Full HD LED (1920 x 1080) antirreflexiva 14.0" HD LED (1366 x 768)
HDD 500 GB (5400 RPM) 1 TB (HDD)
Wireless Placa Wi-Fi 802.11 ac (1x1) + Bluetooth v4.1
Bateria 43 Wh
Cor Titanium Branco Ônix Titanium Branco Ônix Titanium
Conectores
  • 1 saída HDMI
  • 2 USB 3.0
  • 1 USB 2.0
  • 1 saída fone de ouvido / entrada microfone (combo)
  • 1 RJ45 (LAN)
  • 1 conector de energia

Notebooks Dell: comparativo 2019

Checagem: 30/05/2019, em todos os Inspiron.
As outras linhas são todas muito caras, portanto não interessaram a mim, consequentemente não conferi. Exceção: Vostro, que tem apenas um modelo.

Nota: o Intel HD Graphics 620 e o Intel UHD Graphics 620 são praticamente idênticos, a diferença é mínima!

Role para o lado usando as teclas ← e → para visualizar todos os atributos dos modelos.

Inspiron 14" série 3000
  ci3481u105br ci3481w105brw ci3480w107brw
R$ 2.119 2.269 2.701
CPU Intel Core i3-7020U (7ª g.)
  • Núcleos: 2;
  • Threads: 4;
  • Clock-base: 2.30 GHz;
  • Cache: 3 MB.
Intel Core i5-8265U (8ª g.)
  • Núcleos: 4;
  • Threads: 8;
  • Clock-base: 1.60 GHz;
  • Cache: 6 MB.
GPU Intel® UHD Graphics 620
RAM DDR4 4GB (1x4GB) 2400MHz
Máximo de 2133MHz devido ao barramento.
DDR4 4GB (1x4GB) 2666MHz
Máximo de 2400MHz devido ao barramento.
OS Ubuntu Linux 18.04 Windows 10 Home 64-bit
Tela Tela HD de 14" (1366 x 768), antirreflexo e retroiluminação por LED
HDD 1TB 5400 RPM
Wireless Wi-fi 802.11ac + Bluetooth 4.1
Bateria 42Wh, 3 células
Conectores
  • 1 saída HDMI
  • 2 USB 3.0
  • 1 USB 2.0
  • 1 saída fone de ouvido
  • 1 RJ45 (LAN)
  • 1 conector de energia
  • 1 slot para cartão SD

Role para o lado usando as teclas ← e → para visualizar todos os atributos dos modelos.

Inspiron 15" série 3000
  ci3584u106br ci3584w106brw ci3583w132brw ci3583w111brw ci3583w163brw ci3583w148brw ci3583w162brw
R$ 2.199 2.349 2.720 2.940 3.339 3.299 3.491
CPU Intel Core i3-7020U (7ª g.)
  • Núcleos: 2;
  • Threads: 4;
  • Clock-base: 2.30 GHz;
  • Cache: 3 MB.
Intel Core i5-8265U (8ª g.)
  • Núcleos: 4;
  • Threads: 8;
  • Clock-base: 1.60 GHz;
  • Cache: 6 MB.
Intel Core i7-8565U (8ª g.)
  • Núcleos: 4;
  • Threads: 8;
  • Clock-base: 1.80 GHz;
  • Cache: 8 MB.
GPU Intel HD Graphics 620 Intel UHD Graphics 620 AMD Radeon 520 Graphics com 2GB de GDDR5 Intel UHD Graphics 620
RAM DDR4 4GB (1x4GB) 2666MHz
Máximo de 2400MHz, devido ao barramento.
DDR4 8GB (1x8GB) 2666MHz
Máximo de 2400MHz, devido ao barramento.
OS Ubuntu 18.04 Windows 10 Home 64-bit
Tela 15,6" 1366 x 768 (HD)
antirreflexo, retroiluminação LED
15,6" 1920 x 1080 (Full HD)
antirreflexo, retroiluminação LED
15,6" 1366 x 768 (HD)
antirreflexo, retroiluminação LED
HDD HD de 1TB (5400 RPM) SSD SATA M.2 de 256GB HD SATA 2,5" de 2TB (5400 RPM)
Wireless Placa de rede 802.11ac (WiFi 1x1) + Bluetooth 4.1
Bateria 42 Wh, 3 células
Conectores
  • 1 saída HDMI
  • 2 USB 3.0
  • 1 USB 2.0
  • 1 saída fone de ouvido
  • 1 RJ45 (LAN)
  • 1 conector de energia
  • 1 slot para cartão SD

Switches Fast Ethernet: comparativo 2020

Role para o lado usando as teclas ← e → para visualizar todos os atributos dos modelos.

Switches com mais portas Fast Ethernet do quê portas Gigabit Ethernet
Marca Linha Modelo Portas RJ45 fixas
(slots foram desconsiderados)
Capacidade
de comutação
"backplane"
(Gbps)
IEEE 802.3 (Ethernet)
Fast Eth.
(10/100)
Gigabit Eth.
(10/100/1000)
Total 802.3u
[1995]
(100BASE-TX)
802.3x
[1997]
(Full-Duplex
& Flow Control)
802.3ab
[1999]
(1000BASE-T)
Mersusys MS105 5 5 1
MS108 8 8 1.6
Multilaser RE308 8 8 1.6 ?
RE118 8 8 2 ?
RE305 5 5 1
RE116 16 16 3.2
RE124 24 24 16 ?
Intelbras Não-gerenciáveis SF 1600 Q+ 16 16 3.2
SF 1811 PoE 16 1 17 7.2
SF 2400 QR+ 24 24 4.8
SF 500 PoE 5 5 1
SF 800 Q+ 8 8 1.6
SF 800 Q+ ULTRA 8 8 1.6
SF 800 VLAN 8 8 1.6
SF 800 VLAN ULTRA 8 8 1.6
SF 900 PoE 9 9 1.8
SF 910 PAC 8 1 9 3.6
SG 2620 QR 24 2 26 ?
Gerenciáveis SF 2622 MR L2 24 2 26 8
SF 2842 MR 24 4 28 12.8
Tenda For home S108 8 8 1.6
S105 5 5 1
S16 16 16 3.2
For business TEF1226P-24-410W 24 2 26 8.8
TEF1126P-24-410W 24 2 26 8.8
TEF1126P-24-250W 24 2 26 8.8
TEF1118P-16-150W 16 2 18 7.2
TEF1118P-16-250W 16 2 18 7.2
TEF1218P-16-250W 16 2 18 7.2
TEF1106P-4-63W 6 6 1.2
TEF1110P-8-63W 10 10 1.6
TEF1109TP-8-102W 8 1 9 3.6
TEF1109D 9 9 1.8
TEF1109DT 8 1 9 3.6
TEF1026F 24 2 26 8.8
TEF1109P-8-63W 9 9 1.8
TEF1226P-24-440W 24 2 26 8.8
TEF1024D 24 24 4.8
TEF1016D 16 16 3.2
D-Link Residencial DES-1005C 5 5 1
DES-1008C 8 8 1.6
DES-1016A 16 16 3.2
DES-1024D 24 24 4.8
Empresarial DES-1210-52 48 2
(só 1000?)
50 17.6
DES-1210-28P 24 2 26 12.8
DES-1210-28 24 2
(só 1000?)
26 12.8
DIS-100E‑5W 5 5 ? ?
DIS-100E-8W 8 8 ? ?
TP-Link SOHO TL-SF1005D 5 5 1
TL-SF1008D 8 8 1.6
Unmanaged TL-SF1048 48 48 9.6
TL-SF1008D 8 8 1.6
TL-SF1008P 8 8 1.6
TL-SF1024D 24 24 4.8
TL-SF1024M 24 24 4.8
TL-SF1016D 16 16 3.2
TL-SF1005D 5 5 1
Smart T1500-28PCT (TL-SL2428P) 24 4 28 12.8
TL-SL2428 24 4 28 12.8
Managed TL-SL5428E 24 4 28 12.8

Switches Gigabit Ethernet: comparativo 2020

Role para o lado usando as teclas ← e → para visualizar todos os atributos dos modelos.

Switches com mais portas Gigabit Ethernet do quê portas Fast Ethernet (e empatados)
Marca Linha Modelo Portas RJ45 fixas
(slots foram desconsiderados)
Capacidade
de comutação
"backplane"
(Gbps)
IEEE 802.3 (Ethernet)
Fast Eth.
(10/100)
Gigabit Eth.
(10/100/1000)
Total 802.3u
[1995]
(100BASE-TX)
802.3x
[1997]
(Full-Duplex
& Flow Control)
802.3ab
[1999]
(1000BASE-T)
Mersusys MS108G 8 8 ?
Multilaser RE128 8 8 16
Intelbras Gerenciáveis SG 5204 MR L2+ 48 48 104
SG 2404 MR L2+ 28 28 56
SG 1002 MR L2+ 8 8 20
SG 2404 MR 24 24 48
SG 1002 MR 8 8 20
SG 5200 MR 48 48 104
SG 2404 PoE 24 24 48
Não-gerenciáveis SG 800 Q+ 8 8 16
SG 2400 QR 24 24 48
Tenda For home SG108 8 8 16
For business TEG1109P-8-102W 9 9 18
TEG3224P 24 24 56
TEG3210P 8 8 20
TEG1024D v7 24 24 48
TEG1016D v6 16 16 32
D-Link Residencial DGS-1024D 24 24 48
DGS-1016D 16 16 32
DGS-1008A 8 8 16
Empresarial DGS-3000-10L 8 8 20 ?
DGS-1510-52L/ME 48
(só 1000?)
48 104 ?
DGS-1510-28LP/ME 24 24 56 ?
DGS-1510-28L/ME 24
(só 1000?)
24 56 ?
DGS-1210-52/ME 48 48 104 ?
DGS-1210-28/ME 24 24 56 ?
DGS-1510-52XMP 48 48 176
DIS-100G‑5W 5
(só 100/1000?)
5 ? ?
DIS-100G‑5SW 4
(só 100/1000?)
4 ? ?
DIS-100G-5PSW 4
(só 100/1000?)
4 ? ?
DIS-300G-12SW 8
(só 100/1000?)
8 ? ?
DIS-300G-8PSW 6
(só 100/1000?)
6 ? ?
DIS-300G-14PSW 10
(só 100/1000?)
10 ? ?
DIS-700G-28XS ? ?
DGS-1210-10P 8 8 20
DGS-1210-28P 24 24 56
DGS-1210-52 48 48 104
DGS-1510-28P 24 24 92
DGS-1510-28XMP 24 24 128
DGS-1510-52X 48 48 176
DGS-1510-28X 24 24 128
DGS-1210-28 24 24 56
TP-Link SOHO TL-SG1005D 5 5 16
TL-SG105 5 5 10
TL-SG108 8 8 16
TL-SG1008D 8 8 10
Easy Smart TL-SG105E 5 5 10
TL-SG108E 8 8 16
Managed T2600G-28TS (TL-SG3424) 24 24 56
T2500G-10TS (TL-SG3210) 24 24 48
T2600G-28SQ 128
T2600G-28MPS (TL-SG3424P) 24 24 56
T2600G-52TS (TL-SG3452) 48 48 104
TL-SG3216 16 16 32
Smart T1700G-28TQ 24 24 128
T1600G-28PS (TL-SG2424P) 24 24 56
T1600G-28TS (TL-SG2424) 24 24 56
T1500G-8T (TL-SG2008) 8 8 16
T1500G-10PS (TL-SG2210P) 8 8 20
T1600G-52TS (TL-SG2452) 48 48 104
T1500G-10MPS 8 8 20
T1600G-52PS (TL-SG2452P) 48 48 104
Unmanaged TL-SG1008MP 8 8 16
TL-SG1005D 5 5 10
TL-SG105 5 5 10
TL-SG1008D 8 8 16
TL-SG1008P 8 8 16
TL-SG1008PE 8 8 16
TL-SG108 8 8 16
TL-SG1016 16 16 32
TL-SG1016D 16 16 32
TL-SG1024D 24 24 48
TL-SG1048 48 48 96

Debian 9: como instalar TL-WN823N v2 (TP-LINK)

300Mbps Mini Wireless N USB Adapter
Marca: TP-LINK
Modelo: TL-WN823N(EU)
Versão:2.0

Neste tutorial, ensinarei como instalar este dongle USB para wireless no Debian 9. Mas não simplesmente entregar um passo-a-passo, eu quero que você entenda o que está fazendo, e seus conhecimentos expandam-se, consequentemente.

O problema

O manual do produto diz que há suporte oficial para o Linux, pela TP-LINK, porém não existe suporte de verdade pela TP-LINK, e eu penei um bocado para fazê-lo funcionar. Trago então minha solução para você!

O driver oficial, do site da TP-LINK, está obsoleto! O que há ali é o código, a partir do qual você deve compilar (produzir) o driver especificamente para seu sistema, não é só dar 2 cliques. Mas para compilar, você precisa ter o ambiente adequado, isto é, seu sistema tem de possuir algumas características específicas. A característica crucial nesse caso é o kernel do Linux: o site oficial diz que o driver é compatível com as versões 2.6.18 até a 3.10.10. Legal, mas o suporte para a versão 3.10 acabou em novembro de 2017, e já estamos em 2018... O Debian que uso, segundo o comando lsb_release -r é a 9.5, e o kernel, segundo o comando uname -r, é o 4.9.0-7-amd64 (suportado até janeiro de 2019). Então este driver não dá suporte ao Debian 9, apenas versões mais antigas...

Obtendo o firmware

Os repositórios oficiais do Debian 9 incluem o pacote firmware-realtek, que por sua vez inclui o firmware do chipset Realtek rtl8192eu, que é o que está dentro do dongle. Os repositórios do Debian 8 incluem um pacote de mesmo nome (firmware-realtek), que porém, não dá suporte ao chipset em questão (rtl8192eu). Então faça um upgrade do seu sistema, se ainda não estiver usando a versão 9.

Dado que o pacote firmware-realtek não é software livre, é necessário alterar sua lista de repositórios para "tornar visíveis" os pacotes de software proprietário:

  1. em um terminal root, abra a lista de repositórios no editor de texto nano: nano /etc/apt/sources.list;
  2. adicione non-free (com um espaço antes) após cada linha escrita no arquivo;
  3. salve as alterações com ^O (CTRL+O), e depois feche o editor de texto com ^X (CTRL+X);
  4. atualize sua lista de fontes de software com apt update, e instale o firmware com apt install firmware-realtek;
  5. reinicie o computador, para que o firmware seja carregado na próxima inicialização do sistema e entre em ação.

Encontrando redes sem-fio

Após reiniciar, você já deve ser capaz de encontrar as redes sem-fio das redondezas. Por exemplo, se você tiver o network-manager-gnome instalado, o nm-applet (um ícone na barra de aplicativos que exibe informações de rede) deve mostrar-lhe uma lista de redes wireless disponíveis, se você clicar nele. Se você consegue essa geração de lista de redes, você tem o firmware adequado para o seu dongle, e o passo-a-passo anterior teve sucesso em seu objetivo.

Escanear o ar buscando redes sem fio é necessário, mas não suficiente. Tente conectar-se a alguma, mesmo uma sem senha e sem segurança - se não tiver uma assim por perto, você pode configurar seu roteador para tal. O nm-applet roda, roda, mas não conecta? Então ainda tem algo errado.

Conectando-se a redes sem segurança, e WEP

Buscando na internet, vi quais configurações adicionais devem ser feitas:

  1. abra um terminal root;
  2. desabilite o modo de economia de energia do wifi, e também a auto-suspensão do USB com echo "options 8192eu rtw_power_mgnt=0 rtw_enusbss=0" | tee /etc/modprobe.d/8192eu.conf. Estas duas opções geram falha de comunicação do sistema com o dongle;
  3. digite echo "blacklist rtl8xxxu" | tee /etc/modprobe.d/rtl8xxxu.conf;
  4. reinicie o computador. Se ainda assim não funcionar, dê modprobe rtl8xxxu no terminal.

Após configurar o dispositivo assim, tente novamente se conectar a uma rede sem senha e sem segurança, ou com segurança WEP. Conseguiu? Ótimo. Mas e as conexões WPA, WPA2, e WPA-WPA2, funcionam? Se não, siga adiante o tutorial.

Conectando-se a redes WPA, WPA2, e WPA-WPA2

As proteções WPA, WPA2 e WPA-WPA2 são mais recentes que a WEP, já obsoleta devido à falta de segurança. Por isto mesmo, funcionam diferente e exigem configuração adicional.

Conferindo nos logs do sistema (comando nano /var/log/messages como root), constatei que existem quatro "apertos de mão" (4-way handshake) entre o dongle e o roteador sem fio, compondo uma etapa de negociação. É esta etapa que falha e impede e a conexão, registrando no log, após a troca de mensagens "eapol", que a autenticação falhou pela "razão 15". O protocolo do "eapol" é uma inovação das tecnologias WPA e WPA2 (não existiam na WEP). E a razão 15 significa que o handshake estourou o tempo-limite.

O que faz o handshake falhar é a aleatorização do endereço MAC do dongle, pelo que pesquisei. Esse recurso é importante para previnir que clientes wireless sejam identificados pessoalmente quando usarem wifis públicos: a cada conexão, um endereço MAC diferente é usado pelo aparelho, dando certa privacidade. Mas isso não funciona bem com o dongle TL-WN823N(EU) v2.0, e o recurso precisa ser desabilitado. Isso é simples de resolver:

  1. abra um terminal root, e edite o gerenciador de redes no editor de textos nano, com nano /etc/NetworkManager/NetworkManager.conf;
  2. adicione as linhas ao arquivo:[device]wifi.scan-rand-mac-address=no
  3. salve as alterações com ^O (CTRL+O), e depois feche o editor de texto com ^X (CTRL+X);
  4. reinicie o computador.

Voilà! Resolvido. Agora o dongle deve funcionar perfeitamente. Se para você, ainda assim não estiver dando certo, deixe um comentário neste post explicando o que deu errado, e talvez eu possa lhe ajudar.

Licença Creative CommonsO texto deste post de Anders Bateva está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.

GNU Social: como começou

Este post é baseado no artigo What is GNU social and is Mastodon Social a “Twitter Clone”?, por Robek World.

Em 2007, Evan Prodromou desenvolveu o "esqueleto" do que eventualmente se tornaria o GNU Social. Na época de sua concepção, ele era conhecido como Laconica, e era utilizado em um serviço de microblogging chamado Identi.ca. Após ser financiado, Prodromou renomeou Laconica para StatusNet e começou o desenvolvimento do serviço. A ideia por detrás da StatusNet era que qualquer um pudesse baixar o software e rodar seu próprio serviço de microblogging. O nobre objetivo estava embrulhado em estratégia de marca, e buscas corporativas, na esperança de um dia levar o microblog para as massas (tanto marcas quanto indivíduos) tal qual WordPress fez para os blogs.

Várias pessoas contribuíram código para a StatusNet e o projeto cresceu. Em 2010, Prodromou documentou o protocolo OStatus que ele criou e fez a StatusNet usar, e conseguiu levar este protocolo para o W3C, para que fosse mais desenvolvido (o que não ocorreria até 6 anos depois). OStatus tornou-se o padrão sucessor do protocolo OpenMicroBlogging. Esta foi uma grande conquista, pois o OStatus é a tecnologia que o W3C mantém e desenvolve, e é basicamente o procedimento operativo padrão para comunidades coesas de microblog. A maioria destas comunidades OStatus podem comunicar-se umas com as outras (Federação).

Em algum momento por aqui, Matt Lee começou a explorar opções para ferramentas sociais para o GNU FM, e a StatusNet capturou sua atenção. Algum interesse continua a crescer, mas nade demais acontece. Prodromou eventualmente perde seu financiamento em 2012, e o desenvolvimento real da StatusNet parece estar condenada à morte, apesar de continuar um pouco.

Devido ao projeto usar uma licença livre, as pessoas tinham a capacidade de fazer "forks" (ramificações do desenvolvimento), e Mikael Nordfeldth havia feito um fork da StatusNet para um projeto chamado Free Social. O projeto de Mikael era "por diversão", mas após Prodromou ter decidido seguir adiante com o pump.io, Matt e Mikael oferecem a ideia de fundir o projeto StatusNet em um novo, nomeado GNU Social (já que os desenvolvedores em questão eram desenvolvedores e apoiadores do Projeto GNU / Fundação do Software Livre). Mikael continua a manter e dar suporte ao GNU Social em 2017, mas houveram vários forks que constroem por sobre seu próprio trabalho, enquanto tentam seus próprios objetivos.

Existe um rumor de que a Identi.ca era um serviço de microblogging independente, e não federava com os nos StatusNet. Este rumor está errado: a companhia StatusNet fazia ser fácil criar seu nó "nome.status.net", de graça para nós de usuário único, e também provia vários nós com nomes como "240.status.net", "unlimited.status.net", para que se experimentasem diferentes tamanhos de mensagem. Prodromou realmente tentou fazer com que pessoas mesclassem-se com a Federação e saíssem do nó com o nome da empresa. Mas Identi.ca era a face da StatusNet, e continuou crescendo. Não foi até o "pumpocalypse" que sites alternativos como Quitter.se realmente deslanchassem, no grande êxodo da Identi.ca por pessoas que estavam confusas ou não gostavam no novo software (pump.io).

Licença Creative CommonsEste post de Anders Bateva está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.Baseado no trabalho disponível em Robek.World.

GNU Social: o que é? Porquê usar?

Autora: Mariana Fossatti. Tradução por Anders Bateva.

O que é GNU Social?

O GNU Social é um projeto de rede social que está em desenvolvimento há alguns anos. Originalmente implementado através do serviço Identi.ca, logo evoluiu quando a Free Software Foundation se juntou em seu desenvolvimento. Trata-se de uma rede social de aparência muito similar ao Twitter, porém com algumas vantagens, como a possibilidade de enviar mensagens de mais de 140 caracteres, participar de grupos, e seguir usuários de outras instâncias que utilizem os mesmos padrões abertos.

Diferente do Twitter, que é um serviço centralizado, o GNU Social é um software livre que pode ser instalado em qualquer servidor. Cada instância da rede social inter-opera com as demais de maneira horizontal, formando assim uma rede distribuída onde os participantes não dependem das políticas corporativas de uma única empresa, e aonde a adoção de novas funcionalidades é livre, desde que siga-se os protocolos de comunicação.

Como é de se imaginar, existem muitos serviços "públicos" de GNU Social. Alguns dos mais conhecidos são: Quitter.se, Quitter.es e lamatriz.org; porém, existem muitos outros, que você pode conferir no site Fediverse.org. Mesmo estando em um nó qualquer, é possível conectar-se às demais instâncias e assim inter-conectar-se com os outros usuários também.

Porquê usar?

De que nos interessaria criar um novo perfil em uma outra rede social que tem uma aparência similar ao Twitter? Porquê se dar ao trabalho e tempo?

Em primeiro lugar, porquê na Internet, sempre vamos estar vivendo mudanças e saltos, de uma tecnologia a outra. Se não o fizermos conscientemente e por escolha própria, os donos das grandes plataformas nos obrigarão, de qualquer maneira, a aceitar as mudanças que eles impõe a partir de suas políticas empresariais centralizadas, em termos que não conhecemos nem controlamos. Assim, somar-se à história de uma tecnologia livre, aberta, e descentralizada, como o GNU Social, é abrir uma janela de ar fresco em direção a uma comunicação que podemos controlar mais coletivamente, sob normas comunitárias de netiqueta, e não sob Termos de Uso abusivos, e sob permanente ameaça de censura.

Em segundo lugar, porquê nestas redes sociais distribuídas, estão acontecendo coisas interessantes! Estão somando-se cada vez mais pessoas, e estão se abrindo novos nós nos quais prosperam todo tipo de comunicades, com sua variedade de idiomas e temas a explorar. Entramos em um território livre de algoritmos de personalização, e que assim não podem ser manipulados visando lucros com propaganda. Bem distante dos ruídos impostos pelos grandes meios de massa, das marcas, das celebridades, e dos trolls que inundam o Twitter e Facebook, podemos retomar espaços de comunicação mais adequados para o diálogo real.

Licença Creative CommonsEste post de Anders Bateva está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Não Adaptada.Baseado no trabalho disponível em Ártica Online.

GNU Social: como funciona o OStatus?

Autor: Manuel Ortega. Tradução por Anders Bateva.

Graças ao OStatus, as instâncias do GNU Social não são jardins murados, e se conectam nentre si, permitindo a seus usuários comunicarem-se e seguirem uns aos ouros. OStatus é a engrenagem que dá vida à rede distribuída de nós/servidores do GNU Social. Uma rede distribuída, também conhecida como a «federação», cujas implicações são chave para impulsionar um modelo social totalmente oposto ao de redes centralizadas, como Twitter e Facebook, e ao das descentralizadas também.

Entender como funciona o OStatus facilita que novos desenvolvedores possam unir-se ao projeto e criar novas possibilidades para o GNU Social.

OStatus: as peças da engrenagem

Ostatus combina de forma natural e eficiente um conjunto de peças, protocolos, que permitem implementar comunicações distribuídas na Web:

  • Activity Streams codifica as publicações, atividades e eventos sociais dos usuários nos padrões Atom ou RSS;
  • PubSubHubbub envia, em tempo real, estes feeds a seus assinantes ao redor da Web;
  • Salmon notifica aos usuários sobre as respostas a suas publicações;
  • Webfinger torna fácil encontrar outros usuários na rede de nós.

Ainda que cada um destes protocolos cumpra uma função determinada, veremos como colaboram entre si e ganham sentido ao trabalharem como uma engrenagem dentro de cada nó do GNU Social. Seguiremos agora os passos que o GNU Social dá quando lhe pedimos para assinar os posts de um usuário remoto, ou seja, um usuário que não está cadastrado no próprio nó de quem assina.

Porém, antes de passar à ação, vejamos onde encontrar OStatus dentro do código-fonte do GNU Social:

OStatus no código-fonte do GNU Social

Uma das maravilhas do GNU Social é sua modularidade. E, como não podia ser de outra forma, a implementação do OStatus está encapsulada dentro do plugin OStatus que podemos encontrar no diretório plugins.

O plugin OStatus agrega ao GNU Social um conjunto de bibliotecas, funcionalidades, e rotas para fazer possível a comunicação entre os nós do GNU Social. Vamos seguir os passos do processo de assinatura entre usuários remotos. O ponto de acesso principal para esta opção em qualquer nó do GNU Social é main/ostatussub. Por exemplo, na instância Quitter España, é no endereço https://quitter.es/main/ostatussub.

Esta URL será nosso ponto de partida para dar uma viagem guiada pelo processo de assinatura a usuários remotos. Um processo aonde centramo-nos no trabalho que realiza o protocolo PubSubHubbub.

Iniciamos a viagem até a assinatura

Estando no ponto de partida, main/ostatussub, perante o usuário final o processo não tem grandes segredos: insere-se o endereço do OStatus, usuario@exemplo.net ou https://exemplo.net/usuario, do usuário que deseja-se seguir, e então o GNU Social pede-lhe para confirmar a assinatura, realiza a confirmação e, a partir deste momento, começa a receber todas as publicações do usuário a que foi solicitado seguir, em sua linha do tempo pessoal.

Sigamos estes mesmos passos, mas agora fazendo referência às linhas de código do GNU Social adonde se desenvolve a ação:

    • Executa-se a ação. Quando o usuário aperta o botão «continuar», executa-se uma solicitação POST, que inclui a variável profile, sobre a ação ostatussub implementada pelo plugin OStatus.A partir deste momento o GNU Social lança-se à caça do feed, tudo é um feed, que se esconde por detrás do usuario OStatus que indicamos a ele.
    • Uma URI ou um e-mail? O primeiro a se fazer é confirmar se o usuário introduziu no formulário uma URI ou um usuário em formato de endereço de e-mail. Se o que temos é um usuário OStatus em formato de endereço de e-mail, teríamos que extrair pelo Webfinger. Porém, para este post, vamos a supor que temos uma URI para encontrar o feed que buscamos. A partir deste momento é quando entra en ação o PubSubHubbub.PubSubHubbub permite-nos assinar um feed em tempo real. Não temos que fazer solicitações regulares ao feed para obter as novas publicações, ao invés disto nós é que seremos notificados, e nos será enviado o novo conteúdo, em tempo real, quando o feed se atualizar. Para entender a lógica por detrás do PubSubHubbub recomendo ver este vídeo.Nos passos para implementar PubSubHubbub, o primeiro é descobrir como assinarmos o feed, descobrir qual é o agente (hub) a que temos que pedir que o feed assine. Este hub se encarrega de informar aos assinantes remotos sobre as atualizações dos feeds dos usuários em seu nó. Cada nó do GNU Social tem seu próprio agente (hub).
  • Descobrir o hub. Uma vez que tenhamos a ULR do feed, o GNU Social realiza uma solicitação GET para obter a informação sobre o hub ao qual tem de solicitar assinatura, dá persitência aos dados encontrados (URL do feed, hub do feed, etc), guarda-os na base de dados associados ao usuário OStatus para o qual recebemos uma pedido de assinatura. Terminado este passo, o GNU Social nos apresenta os dados do usuário do qual queremos assinar, e nos pede confirmação.
  • Enviamos solicitação de assinatura ao hub. Uma vez que o usuário confirme a assinatura, o GNU Social dá início ao processo de assinatura. Seguindo a especificação do PubSubHubbub, para solicitar a assinatura a um hub, temos que fazer uma solicitação POST enviando-lhe a seguinte informação: mode=subscribe, topic=, callback=, verify=sync. O "topic" é a URL do feed a que queremos assinar, e "callback" é a URL à qual queremos receber primeiro a chave de confirmação, e a partir daí, as atualizações do feed. Aqui está o código que implesmenta isto no GNU Social. Enviada a solicitação, temos que esperar que o hub faça-nos uma petiação GET com a chave de confirmação.
  • Recebemos a chave desde o hub e voltamos a confirmar.
  • Já estamos seguindo!! A partir deste momento o hub nos vai enviar as atualizações do feed ao qual nós acabamos de assinar, com solicitações à URL do callback que passamo-lho.
Descoberta do hub.
Solicitação de assinatura.
CC0O texto deste post de Anders Bateva está liberado sob domínio público.Baseado no trabalho disponível no blog Las Indias.