Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Anders Bateva

buscando o porquê das coisas

Anders Bateva

buscando o porquê das coisas

Maquiavel: mundo ideal vs mundo real

Fonte: Nicolau Maquiavel. O Príncipe - 15ª edição - 1996 - Editora Paz e Terra. Capítulo XV: "As qualidades pelas quais os homens, sobretudo os príncipes, são louvados ou vituperados".


Como tenho a intenção de escrever algo útil para quem a queira entender, pareceu-me conveniente ir atrás da verdade efetiva da coisa, ao invés da imaginação. Muitos imaginaram repúblicas e principados que nunca se viu nem se soube que fossem verdadeiros, por serem tão diversos de como se vive para como se deveria viver.

Mas, aquele que deixa o que se faz pelo que se deveria fazer aprende a se arruinar em vez de se preservar. Pois o homem que queira professar o bem em toda parte é natural que se arruíne entre tantos que não são bons.

Para um príncipe que queira se manter, então, é necessário aprender a poder ser não-bom, e usar ou não usar isso, conforme precisar.

Maquiavel: Temer Jamais?

Fonte: Nicolau Maquiavel. O Príncipe - 15ª edição - 1996 - Editora Paz e Terra. Capítulo XVII: "A crueldade e a clemência: se é melhor ser amado do que temido, ou o contrário".

É melhor ser amado do que temido, ou o contrário?

Responde-se que se quer ser tanto um quanto o outro. Mas como é difícil reuni-los, é muito mais seguro ser temido do que amado, no caso de ser preciso renunciar a um dos dois.Isto pois, geralmente, pode-se dizer que os homens são ingratos, volúveis, mentirosos, traiçoeiros, covardes, ávidos por dinheiro. Se lhes fazes o bem, todos estão contigo. Oferecem-te o sangue, as coisas, a vida, os filhos -- como disse antes, quando a necessidade está longe de ti. Mas quando a necessidade chega perto, eles se rebelam. E o príncipe que havia se baseado completamente nas palavras deles, se não tiver outras defesas, arruína-se. Pois as amizades que se conquistam com dinheiro e não com grandeza e nobreza de alma não são certas, não podem ser usadas.Os homens têm menor pudor em ofender alguém que se faça amar do que alguém que se faça temer. O amor é mantido por um vínculo de obrigação, que os homens, sendo malvados, rompem quando melhor lhes servir. Mas o temor é mantido pelo medo de ser punido, o que nunca termina.Todavia, o príncipe deve se fazer temer de um modo que, se não conquista o amor, evita o ódio. É possível ser, ao mesmo tempo, temido, mas não odiado.

Maquiavel: sorte vs previdência

Fonte: Nicolau Maquiavel. O Príncipe - 15ª edição - 1996 - Editora Paz e Terra. Capítulo XXV: "Quando pode a fortuna influenciar as coisas humanas e como se pode resistir a ela".


Comparo [a sorte] a um destes rios desastrosos, que, na cheia, alagam as planícies, derrubam as árvores e as construções, carregam terra de uma parte, depositam em outra; todos fogem à sua frente, todos cedem ao seu ímpeto sem poder obstar. Mesmo que sejam feitos assim, aos homens só lhes resta, nos tempos de tranquilidade, premunirem-se com reparos e barragens, de modo que ao crescer na cheia, os rios corram por um canal e seu ímpeto não seja nem tão desenfreado, nem tão nocivo.

A sorte manifesta-se de modo semelhante. Demonstra a sua potência onde não há virtude organizada para lhe opor resistência; volta os seus ímpetos para onde sabe que não foram feitas barragens e reparos para segurá-la.

Arquivo anual

2012-2014: posts não mantiveram-se

Etiquetas

Nuvem de tags

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.